O Departamento de Conservação e Restauro do Instituto dos Museus e da Conservação tem como objectivo a salvaguarda e a valorização dos bens culturais móveis classificados pelo que as intervenções de conservação e restauro deverão ser sempre realizadas por técnicos de qualificação legalmente reconhecida ou sob a sua responsabilidade directa. Daí que uma das prioridades do IMC fosse o de definir, através do Departamento de Conservação e Restauro, um corpo normativo onde se estabelecem os requisitos adequados, em termos de formação e competência profissional, indispensáveis para intervir em bens culturais classificados, em vias de classificação ou que, não estando legalmente protegidos, são considerados relevantes do ponto de vista histórico e artístico.

Para o cumprimento dos seus objectivos é fundamental a cooperação estreita e a articulação com o Laboratório de Conservação e Restauro José de Figueiredo na investigação dos materiais, técnicas de produção artística e causas de degradação dos bens culturais de especial relevância. Igualmente importante a cooperação com entidades nacionais e estrangeiras em projectos de investigação na área da conservação.

Sumariando as prioridades da intervenção do Departamento de Conservação e Restauro, merecem destaque:

    • Conceber e divulgar normas e orientações técnicas relativas à conservação e restauro do património cultural; 

    • Supervisionar e enquadrar tecnicamente intervenções de conservação e restauro de colecções dos museus e palácios tutelados pelo IMC;

    • Realizar trabalhos de conservação e restauro de bens de interesse nacional e de interesse público e, a título excepcional, de bens não classificados, mas de reconhecido interesse histórico, artístico técnico ou científico; 

    • Pronunciar-se sobre propostas de intervenção de conservação e restauro a realizar em bens culturais móveis classificados ou em vias de classificação; 

    • Prestar assistência e consultoria científica e técnica a projectos desenvolvidos por outras entidades;